PATROCINIOS

(0 Votes) altivemos na �©poca do personalismo ou individualismo. A sociedade nos cobra sermos independentes, autossuficientes, livres de qualquer dom�­nio. Neste contexto, fica dif�­cil para alguns crist�£os entender e at�© aceitar a quest�£o do

senhorio, dom�­nio ou depend�ªncia de Deus.

Para entendermos e aceitarmos este fato tomemos como exemplo o pr�³prio Jesus Cristo que â??â?¦ subsistindo em forma de Deus n�£o julgou como usurpa�§�£o o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo,â?¦â? (Filipenses 2.6s), sem direitos, sem apela�§�£o, dispondo-se a ser tratado como os homens assim o desejassem. Servindo ao Pai at�© o final de Seu minist�©rio, com o prop�³sito de levar o ser humano de volta �  condi�§�£o de â??filhos de Deusâ?. Quando compreendermos o â??esvaziamento pessoalâ? necess�¡rio para servirmos a Deus, pagar o pre�§o e viver �  sombra do Calv�¡rio, poderemos afirmar que somos Seus servos e servas.

Esta servid�£o implica em uma vida de humildade e disponibilidade �  miss�£o que Deus coloca em nossas m�£os para realiz�¡-la e posi�§�£o que assumimos diante de nosso pr�³ximo. Quando Jesus ensinou aos Seus disc�­pulos no passado esta forma de viver contou-lhes esta par�¡bola: â??Qual de v�³s, tendo um servo ocupado na lavoura ou em guardar o gado, lhe dir�¡ quando voltar do campo: Vem j�¡ e p�µe-te �  mesa? E que antes n�£o lhe diga: prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo, depois comer�¡s tu e beber�¡s. Porventura ter�¡ de agradecer ao servo por ter feito o que lhe havia ordenado? Assim tamb�©m v�³s, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos in�ºteis, porque fizemos apenas o que dev�­amos fazerâ? (Lucas 17.7-10).

Aqui est�£o as marcas de um servo de Deus:

1. Disposto a receber uma â??ordemâ? e trabalhar no Reino de Deus. O servo da par�¡bola, ap�³s um dia �¡rduo de trabalho no campo precisou preparar a ceia e servir o seu senhor.

2. Ele simplesmente obedeceu. Este servo n�£o esperava ouvir uma palavra de gratid�£o, muito menos chamar o seu amo de ego�­sta, pois ele estava cumprindo a sua obriga�§�£o. Como agimos diferente! Quando o Senhor nos chama para realizarmos alguma tarefa damos desculpas, ou se a fizermos desejamos ser recompensados ou ouvir uma palavra de agradecimento pelo que estamos fazendo.

3. O Senhor est�¡ nos chamando para trabalhar em Seu reino. H�¡ muito a ser feito, muitas pessoas precisam ser levadas �  condi�§�µes de filhos de Deus.

Conclus�£o:

Irm�£os/�£s! Precisamos viver �  sombra da cruz de Cristo! N�£o resistamos ao trabalho, que �© colocado em nossas m�£os para faz�ª-lo. N�£o permitamos que algo ou algu�©m nos impe�§a de realiz�¡-lo.

Os minist�©rios est�£o abertos para sua participa�§�£o. Seja aquele/a servo/a pronto/a a obedecer, constrangido pelo amor de Cristo, que n�£o reteve nada de Si para nos salvar. Amemos o Senhor de tal forma que sejamos obedientes e dispostos a reconhecer: â??â?¦ Somos servos in�ºteis, porque fizemos apenas o que dev�­amos fazerâ? (Lc 17.10)

OUVIR NO CELULAR

      


ASSISTA VIDEO Pr ROBERVAL

ASSISTA AGORA  VIDEO PASTOR

 CLICK NESSE LINK EM VERMELHO

https://youtu.be/9CX0ELb7XLI

PATROCINIO

Estatisticas

OBRIGADO PELO SUA VISITA.
226269
HojeHoje40
OntemOntem53
Esta semanaEsta semana467
Este m�ªsEste m�ªs1896
Todos os diasTodos os dias2262697
QUE DEUS O ABENÃ??OE